Pará e Tocantins aprovaram nesta quarta, 25, em Assembleia Legislativa, a criação do Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Legal, totalizando sete estados – um a mais do que o quórum necessário para a instalação do novo consórcio.

A informação foi dada por Cira Moura, Secretária Executiva do governo de Rondônia, pouco antes do início das discussões da Câmara Consórcio, nesta quinta, 26, em Rio Branco (AC), no 16º Fórum de Governadores da Amazônia Legal.

Depois de ser sancionada pelos governadores Simão Jatene (PSDB/PA) e Marcelo Miranda (PMDB/TO) a lei que cria o consórcio, será organizada uma assembleia com todos os governadores da Amazônia Legal – Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins – para a instalação do novo bloco. “Temos 60 dias para realizar esta assembleia, mas nossa intenção é fazê-la o quanto antes”, afirma Cira.

O novo bloco funcionará como uma autarquia e deve facilitar a captação de recursos para investimentos nos nove estados da Amazônia Legal. “Hoje vamos debater a minuta  que irá se transformar no estatuto final do consórcio. E também seu funcionamento, definindo, por exempo, a questão da administração, a questão orcamentária”, adianta Andrey Holanda, procurador do Estado do Acre e subchefe da Casa Civil, sobre as discussões da Câmara Consórcio nesta edição do Fórum de Governadores da Amazônia Legal.